.

.

sábado, 2 de agosto de 2014

Inteireza

"Amazias fez o que é agradável a Deus, o Senhor, porém não foi tão correto como o seu antepassado, o rei Davi; pelo contrário, fez aquilo que o seu pai Joás havia feito. Ele não derrubou os lugares pagãos de adoração, e o povo continuou a oferecer sacrifícios e a queimar incenso nesses lugares". (2 Reis 14:3-4)

Semelhantemente a outros reis, Amazias foi fiel a Deus e isso ficou registrado como memorial. Mas como muitos outros reis também,  ele não foi até as últimas consequências em sua determinação de servir a Deus.

Amazias foi fiel na sua particularidade de vida, dentro do seu coração, na sua intimidade. Isso é muito bom e tem valor diante de Deus. Mas como seus antepassados, não fez nada para evitar que o povo pecasse. Preferiu não interferir, não  influenciar. Não advertiu o povo a respeito do risco de viver longe de Deus, de optar pela infidelidade. Sendo rei, e tendo autoridade como líder, Amazias nada fez para dificultar a prática da idolatria. Não usou da sua autoridade para exercer uma influência benéfica. Levou sua vida de fidelidade aparentemente solitária, sem se importar com os demais. 

A isso chamamos, atualmente, de INDIVIDUALISMO.  E essa atitude é mencionada na Bíblia como FALTA DE INTEIREZA. 

A dificuldade em se ver como parte de um povo, parte de uma nação, como um grupo ou como igreja. O esquecimento de que nossos destino é comum, e o mal que sobrevier ao nosso povo será também sofrido por nós.  Não vivemos em uma bolha.  

A insistência em viver um vida cristã eremita onde ninguém se importa com ninguém, apenas com sua própria espiritualidade, aponta para um coração compartimentado, onde nem tudo foi entregue no altar. Porque uma parte de nós é a nossa particularidade, mas outra parte de nós é o todo, é o sentimento de pertencimento. Se minha disposição ou percepção para ser "todo" está atrofiada, não estou servindo ao Senhor com inteireza.

Penso que se o individualismo fosse plano de Deus para nós, a Biblia não insistiria tanto na ideia de rebanho, de grupo, de "povo de Deus", nação santa. Não usaria figuras plurais. 

É verdade que Jesus buscava vez por outra a solitude, a calma do deserto e dos montes para orar e estar diante do Pai. Mas ele vivia em grupo, profundamente envolvido com as pessoas. Isso porque Jesus era inteiro para Deus. Tanto servia a Deus na sua individualidade quanto em sua sociabilidade.

Que reflitamos sobre isso e levemos a sério a nossa INTEIREZA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário